#OQVestir - Setentinha


Há algum tempo, nos primeiros meses de vida do MoM, eu costumava contar um pouco sobre a história das marcas de maquiagem e 'pincelava' algo sobre moda, etc..
Acho esse tipo de post tão interessante que decidi retomá-lo.
Nosso tempo é tão corrido e um pouco de cultura (seja lá qual for o assunto) é sempre agregador.

Aproveitando que hoje a #OQVestir nos sugere alguns look's e oportunidade de investirmos em moda com qualidade, falemos um pouquinho sobre a década em questão. Os anos 70.

Não é minha época preferida com relação à gosto, mas acredito que foi um período transformador, mundialmente.



Os anos 60 ficaram na memória como a grande época da revolução da juventude, enquanto os anos 70 se destacaram pela sua irregularidade, não tendo um perfil definido. Foram tudo menos calmos, pois nesta década prosseguiram as transformações em grande escala. A libertação sexual, as experiências com as drogas ou a reclamação dos direitos das mulheres – tudo deixou de ser um programa de minorias, sendo aceito e levado à prática pelas grandes massas.
Antimoda era palavra-chave. Desde as calças boca de sino, os trajes de algodão barato até os trajes de alta costura, tudo era permitido, desde que não tivesse um aspecto normal. O que tornava difícil alguém se vestir. Em caso de dúvida, as pessoas decidiram-se pelo Jeans, que havia se transformado no uniforme dos não conformistas.
Em 1971, a marca Levi Strauss recebeu pelos seus blue jeans o Cory Award, o prêmio da indústria da moda norte-americana. Até que o glam-rock trouxe de novo a cor ao jogo dos sexos Gary Glitter e principalmente, David Bowie manifestaram-se contra o desleixo geral, através de roupas de uma elegância cintilante e de uma requintada aparência estética.

Tanto sex-appeal deu aos estilistas a idéia de que também aos jeans desbotados se podia incutir uma nova vida com um pouco mais de glamour. Transformaram o clássico em calças de boca de sino, calças afuniladas, não evitando nem dobras nem as pregas. Assim, os clássicos Jeans dos trabalhadores transformaram-se em Jeans chiques, que exibiam orgulhosamente etiquetas Fiorucci, Cardim ou Calvin Klein.

A moda fica mais esportiva. O espírito prático que dominou a época determinou uma série de tendências na moda. O jeans, aqui também, se sofisticou recebeu vários tipos de tratamento (délavé, manchado, escovado, aveludado) e tornou-se a segunda pele das pessoas. A moda anos 70 é dificílima de ser definida. Usou-se de tudo. As saias subiam e desciam como elevador: mini, micro, longa, midi. A roupa unissex ganha força com os terninhos e os conjuntos de jeans.

O primeiro grande caso de merchandising no Brasil tem registro com a telenovela Dancing Day’s (Gilberto Braga, 1979, TV Globo).


MoM também é cultura, meu bêin.

Bora que tem muita coisa boa!

... clica que GIGA ... 


Fonte: Comunidade Moda


Hasta.
Besos.




#OJ


Nenhum comentário: